Clique em velocidade máxima

Era pra ser um web designer: sempre gostou de mexer com essas coisas de internet, arte, desenho. Começou a sua vida profissional assim, no mundo do clique, mas como ele mesmo diz: “Ficar sentado o tempo todo à frente de um computador não é pra mim”.

Assim, aos poucos, o mourãoense José Mário Dias, neto dos pioneiros Eloy Maciel e Elza Brisola Maciel, filho de Rosira Brisola Maciel e Cecílio Irineu Dias, viu abrirem-se as portas para um encontro pessoal e profissional com a fotografia.

Por trás de sua câmera ele se realiza, unindo duas paixões: a fotografia e a mais que conhecida por todos, o automobilismo. Esta paixão corre nas veias, uma herança deixada pelo pai, o famoso Irineu Mecânico. Irineu algumas vezes se aventurou na pilotagem de carros de corrida e nunca escondeu sua fixação por automóveis.

Deixando se levar pelo desejo de estar sempre perto do automobilismo, Zé Mário – como é conhecido entre os amigos – começou a circular nesta área por curiosidade. Em 2004 começou a frequentar corridas da Stock Car (principal categoria do automobilismo nacional) a convite do piloto Alceu Feldmann, que até então era seu cliente de web sites. Aos poucos, com câmera amadora, foi fazendo alguns cliques. Em 2005 o jornalista João Otávio Ness – a quem Zé Mário chama de “grande professor” – o convidou para fazer a cobertura de dois eventos no mesmo final de semana: as etapas do Brasileiro de Rally e da Stock Car, que ocorreriam em Curitiba.

Empolgado com o convite, Zé Mário foi até Curitiba, e esperava ansiosamente o primeiro carro de rally que passaria a sua frente, já que, até então, nem sabia direito o que era rally. “Lembro-me perfeitamente quando passou o primeiro carro, um Subaru Azul, pilotado por Paulo Lemos, que quase não consegui fotografar, tamanha a emoção. No mesmo momento liguei pra minha mãe pra contar o que eu estava sentindo. Foi incrível”, comenta o fotógrafo. No dia seguinte foi para o autódromo de Curitiba fotografar a Stock Car. Mesmo já familiarizado com o ambiente, não estava acostumado a vestir o colete de imprensa, que lhe dava direito de acesso à pista, mas naquele dia, o “professor” João Ness lhe entregou o colete e uma câmera profissional. A partir daquele momento não teve dúvidas do que queria fazer na vida. Voltou para Campo Mourão com os olhos brilhando e louco por uma câmera profissional.

Desde então não parou mais. Passou a acompanhar etapas de tudo que pudesse: Stock Car, Fórmula Truck, rallies,  entre outros – inclusive, o Rally dos Sertões, de 2006 até 2010. Até que em 2007, através de um convite de Ness, passou a cobrir todas as etapas do Brasileiro de Rali e da Copa Peugeot Rally, o que o levou a tomar a decisão de mudar-se para Curitiba.

Em seu primeiro ano na atividade tornou-se fotógrafo oficial da Chevrolet Rally Team. No mesmo ano cobriu duas etapas da Stock Car e venceu, nas duas, como melhor foto da etapa, em um concurso da própria promotora do evento. “Tive 100% de aproveitamento na Stock: fui apenas em duas e venci as duas”, brinca ele. Em 2008 e 2009 seguiu cobrindo os mesmos campeonatos, mas já atuando em provas esporádicas da Stock Car, Fórmula Truck, F3 Sul-americana, Pick-up Racing. Também cobriu oficialmente o Jet Waves, etapa do mundial de Jet Ski, por dois anos consecutivos, entre outras competições.

Zé Mário fecha 2010 com um saldo muito positivo. Pelo segundo ano consecutivo foi responsável pela fotografia oficial da Copa Peugeot Rally e, também, pela cobertura da temporada do ex-piloto de Fórmula 1, Antonio Pizzonia, na Stock Car. Ainda atuou no seu 6º Rally dos Sertões, na São Paulo Indy 300, além de cobrir diversos outros eventos, como o Intercontinental Rally Challenge (IRC), etapa de curitiba, onde foi fotógrafo oficial e também GT3, Fórmula 3, Racing Festival entre outros.

Com 25 anos, José Mário Dias acredita que ainda tem muitas metas a bater: planeja fotografar o Rally Dakar, que é o maior evento off-road do mundo, o WRC (Mundial de Rally), na Finlândia, e etapas da F1. Isso sem deixar de lado seus clientes no Brasil, que sempre lhe deram força.

Bruno Andrade, segundo lugar na temporada 2010 da Fórmula 3 Sul-Americana, o principal degrau de acesso para a Fórmula 1. Foto tirada na famosa curva da caixa d’água em Londrina, Paraná.

Britânico Kris Meeke voando na etapa brasileira do Intercontinental Rally Challenge, o IRC, onde Zé liderou a equipe de 4 fotógrafos oficiais da etapa Brasil. Radares de mão utilizados pela organização registraram a “top speed” de 245 km/h deste Peugeot 207, na terra.

Seu pai,Cecílio Irineu Dias, quando corria no Brasileiro de Marcas e Pilotos com o apoio de várias empresas regionais.

“Tecnicamente, uma das fotos mais difíceis que já fiz”, comenta ele sobre a foto vencedora da etapa de Curitiba do Concurso de Fotografia promovido pela Stock Car. Na foto Cacá Bueno se descobre de um guard-rail.

Entre uma especial e outra do Rally dos Sertões, sobrou um tempo para fotografar os radicais do kitesurf em Fortaleza, CE.

O ex-F1 Antonio Pizzonia em São Paulo, na Stock Car. Além de cliente, é seu grande amigo.

Nas dunas do Ceará cobrindo seu quinto Rally dos Sertões, o segundo maior rally do mundo.


Sobre o Autor

Metrópole Revista
Metrópole Revista

Revista de variedades.

0 Comentários



Seja o primeiro a comentar!


Deixe uma Resposta


(obrigatório)


Nunca mais perca uma postagem. Informe o tipo de conteúdo que você deseja receber e ganhe um cupom de desconto para uma compra na metropolestore.com.

Fica tranquilo, não enviamos spam.