Dress Code Feminino no trabalho – Parte II

0

Nada mais desagradável que a falta de adequação por parte de um profissional com o seu cargo e perfil da empresa. A cobrança em um ambiente de trabalho deixou de ser apenas uma questão de competência profissional do colaborador, mas também com a sua imagem. Esta é observada desde a entrevista até no cotidiano dentro da corporação, já que um funcionário transmite a cultura e valores simbólicos de uma empresa.

Quando pertencemos a um grupo, queremos ser reconhecido como parte dele e se diferenciar dos demais, é por isso que advogado se veste como advogado, designer como designer, e médico como médico.

No século XXI, está muito comum encontramos profissionais multidisciplinares e que trabalham em diferentes áreas, eu, por exemplo, sou de uma geração que acha chato viver na mesmice do dia-a-dia, durante o dia sou produtora executiva, nos finais de semana stylist, durante a noite colunista e quando me sobra tempo, estilista. Mesma área, mas cargos e trabalhos diferentes. E para quem trabalha em duas áreas opostas? Como se portar em distintas situações de trabalho?

Nos anos 1980, a mulher para entrar em um ambiente corporativo e competir com os homens, adotou elementos masculinos como o uso do tailleur, para demonstrar poder e competência. Este ainda é um traje indispensável em um ambiente de trabalho extremamente formal, um sofrimento para o felling fashion feminino.

Em um ambiente formal, está liberado calças de alfaiataria, vestidos tubinhos, camisas sociais com saias – melhor comprimento: no joelho e ficam super elegantes nas “desbundadas” -, porém o uso de salto é indispensável, dê preferência ao scarpin e nunca opte por sandálias, o modelo é desaconselhável para qualquer ambiente de trabalho, pois é um item que transmite sensualidade. Neste caso, a meia-calça fina é a melhor amiga da mulher, ela funciona como uma base corretiva para as pernas. Tenha sempre uma na gaveta. Cores discretas e acessórios de boa qualidade são indicados para a formalidade que pede a profissão, como por exemplo, de uma advogada ou bancária. Bolsas de couro, com tamanho e alças médias são fáceis de levar no ombro ou na mão, por isso é uma boa opção, além de ser muito elegante. Muito cuidado com o casual day, você ainda pertence a um ambiente formal.

Para empresas pouco formais, é permitido o uso de jeans, mas opte pelos cortes tradicionais com tonalidade escura. Combine com camisa de tricoline lisa ou listradas, é uma composição certeira. Para os calçados, o ideal são os scarpin, mas a sapatilha também pode ser usada, porém, é proibido o uso de rasteiras e chinelos.

Por fim, para os ambientes informais, que são os mais comuns, calça jeans (evite as desfiadas) com camiseta e sapatilha são peças coringas. Entre as profissões que não pedem formalidade, é permitido o uso de rasteiras. Atenção gordinha! Não precisa ficar escrava dos tons escuros, a leveza dos pastéis é autorizada, mas não abuse das saias acima do joelho, das estampas chamativas e das listras horizontais.

Para todos os estilos de ambiente de trabalho permanecem três dicas definitivas: maquiagem leve, acessórios discretos e o mais importante, educação e respeito com os demais da empresa.

Nas fotos a seguir, exemplos de composições de trajes para cada tipo de trabalho, seja ele formal, pouco formal ou informal.

 
  • Formal

    Formal

  • Pouco formal

    Pouco formal

  • Informal

    Informal

 


Fotos: Fernando Nunes
Modelo: Haline Moreira
Stylist: Joseane Larissa
Agradecimento: Vanilla Boutique e Equipe Salão Paulina

Sobre o Autor

Joseane Larissa
Joseane Larissa

Bacharel em Moda - UEM. Produtora e Designer de Moda.


Fatal error: Uncaught Exception: 12: REST API is deprecated for versions v2.1 and higher (12) thrown in /home/metropolerevista/metropolerevista.com.br/html/wp-content/plugins/seo-facebook-comments/facebook/base_facebook.php on line 1273