Como funcionam os telhados verdes

Ecotelhado®-EM-VERA-CRUZUma vista aérea da maioria das áreas urbanas apresenta uma variedade de coberturas de preto e cascalho. O calor irradia de telhados escuros e a água passa pelas superfícies duras e, de preferência, impermeáveis. Ainda assim, existe uma nova tendência que quebra a monotonia dos telhados comuns: as coberturas ecológicas. Há muito tempo populares na Europa, elas começaram a atrair a atenção de proprietários de imóveis, comércios e, até mesmo, de cidades como uma maneira interessante de promover o ambientalismo enquanto resolvem os problemas dos telhados convencionais. Os telhados ecológicos complementam a vegetação tradicional sem atrapalhar a infraestrutura urbana – eles pegam um espaço abandonado e o tornam útil.
Esses telhados duram mais do que os convencionais, reduzem os custos de energia com isolamento natural, criam refúgios tranquilos para pessoas e animais e absorvem a água da chuva, diminuindo bastante a necessidade de sistemas de drenagem complexos e caros. Em uma escala mais alta, os telhados ecológicos aumentam a qualidade do ar e ajudam a reduzir o efeito da Ilha de Calor Urbana, um fenômeno em que o crescimento das cidades e dos subúrbios faz que o calor seja absorvido e armazenado. Qualquer um que tenha caminhado por um estacionamento escaldante em um dia quente de verão já sentiu um dos efeitos da Ilha de Calor Urbana.
As camadas de um telhado ecológico precisam, como as de qualquer outro telhado, favorecer a drenagem e proteger a construção dos elementos da natureza por meio de uma membrana à prova d’água. Elas também precisam, no entanto, criar uma área de crescimento e oferecer apoio, irrigação e barreiras para a proteção das raízes, ao mesmo tempo em que se mantém o mais leve possível.
Existem dois tipos de telhados ecológicos: os intensivos e os extensivos. Os intensivos são basicamente parques elevados. Eles conseguem sustentar arbustos, árvores, passagens e bancos com suas camadas para suporte estrutural complexo, irrigação, drenagem e proteção das raízes. Os telhados ecológicos extensivos são relativamente leves, com uma cobertura de solo nativo que exige pouca manutenção. Os extensivos geralmente existem apenas por seus benefícios ambientais e não funcionam como jardins de cobertura acessíveis.

Custo-Benefício
O custo inicial de coberturas ecológicas muitas vezes afasta possíveis clientes. Como o telhado ecológico exige um trabalho COBERTURA-NITERÓI-COLOCANDO-O-ECOTELHADO-3profissional, análise estrutural cuidadosa e várias camadas e sistemas, até mesmo, telhados extensivos, geralmente começam com o valor de US$ 88 por m², muito “mais caros” do que US$13,75 por m², para os telhados comuns. Mas, à medida que a indústria de telhados ecológicos cresce, os preços diminuem porque os benefícios econômicos de longo prazo já ultrapassam os custos iniciais. Como os telhados ecológicos protegem a membrana do telhado do clima severo e da radiação ultravioleta (UV), eles podem durar duas vezes mais do que os telhados tradicionais. Os telhados ecológicos também têm uma temperatura superficial bem estável, permanecendo na temperatura do ar ou mais frios, ao passo que os tradicionais podem ficar até 32ºC acima da temperatura do ar. A média de crescimento extra e de vegetação isola a construção das temperaturas intensas e minimiza o ganho de calor.
Esses benefícios estão encorajando proprietários de imóveis, comércios e cidades preocupadas com o meio ambiente a construírem coberturas ecológicas. Esses telhados evitam que a água escoe e que o esgoto COBERTURA-DEPOIS-DA-COLOCAÇÃO-1transborde. A vegetação e o solo agem como esponjas, absorvendo e filtrando a água que normalmente formaria goteiras e encheria ruas poluídas e sistemas de esgoto sobrecarregados. As plantas do telhado ecológico removem as partículas do ar, produzem oxigênio e oferecem sombra. Elas usam energia calorífica durante a evapotranspiração, um processo natural que resfria o ar à medida que a água evapora das folhas da planta.
A evapotranspiração e a sombra produzidas pelas plantas ajudam a eliminar o efeito da Ilha de Calor Urbana, criado pelo excesso de superfícies reflexivas e impermeáveis nas cidades e nos subúrbios. Como as Ilhas de Calor Urbanas elevam a temperatura em áreas urbanas e suburbanas, elas acabam aumentando a demanda por aparelhos de ar-condicionado e iniciam um ciclo de consumo de energia que contribui para o aquecimento global. Se os telhados ecológicos se tornarem uma iniciativa comum nas construções, as cidades podem reduzir os efeitos incômodos das Ilhas de Calor Urbanas.


Sobre o Autor

Rodrigo Sampaio Pasquini
Rodrigo Sampaio Pasquini

Biólogo, Analista Ambiental e Diretor Ambiental do Instituto Consciência Verde


Fatal error: Uncaught Exception: 12: REST API is deprecated for versions v2.1 and higher (12) thrown in /home/metropolerevista/metropolerevista.com.br/html/wp-content/plugins/seo-facebook-comments/facebook/base_facebook.php on line 1273