É primavera

3

Natural do Brasil, a Bougainvillea, ou buganvília como é chamada, é um arbusto escandente popularmente conhecido como trepadeira.
Foi o almirante francês Luis Antoine de Bougainville quem passou por aqui pelos anos 1767 e 1769, coletou alguns exemplares desta planta e levou para o rei Luis XIV. Por isto, o nobre o homenageou dando à linda espécie tropical o seu nome.
Muito conhecida por ‘Primavera’ (por florescer nessa época), ela ainda possui vários nomes populares como “Três Marias” e “Flor-de-papel”. Podemos encontrá-la em duas espécies: a glabra (var. graciflora), e a spectabilis Willd.

Glabra:

  • Nativo do sul do Brasil;
  • Possui folhas lisas e brilhantes;
  • Suas flores são pequenas, geralmente róseas ou quase lilases, formadas principalmente no outono e inverno;
  • É cultivado a pleno sol;
  • É frequentemente conduzido como trepadeira, em cercas e grades, bem como para cercas-vivas defensivas;
  • É tolerante a geadas;
  • Multiplica-se por estacas e alporques;
  • No sul do país produz sementes.

Spectabilis:

  • Nativo do leste e nordeste do Brasil;
  • Possui folhas pubescentes;
  • Suas flores são simples ou dobradas, de cores vinho, laranja, ferrugem, branco e rosa, formadas no outono-primavera;
  • É cultivado a pleno sol;
  • É frequentemente conduzido como trepadeira, em cercas e caramanchões;
  • Não tolera geadas fortes;
  • Multiplica-se por estacas e alporques;

As belas e coloridas “flores” da Bougainvillea, não são exatamente flores. São brácteas (folhas modificadas) que envolvem as pequenas e verdadeiras flores amareladas.
Para florir, as primaveras preferem solos férteis e ricos em matéria orgânica e isso pode ocorrer várias vezes ao ano, exceto em épocas muito chuvosas, e com limitações nos períodos frios (dependendo da espécie). Em temperaturas muito baixas costuma perder suas folhas. Pode ser cultivada em vasos, porém seu crescimento é mais lento.
As podas devem ser feitas após o término da floração, entre julho e agosto. Como as podas reduzem as floradas subsequentes, deve-se remover apenas galhos velhos ou mal formados.
As regas podem ser feitas de quinze em quinze dias sendo que, sua frequência deve ser aumentada nos primeiros meses após o plantio ou em épocas muito quentes.


Sobre o Autor

Raíssa Schebeleski
Raíssa Schebeleski

Designer de interiores residenciais, comerciais e paisagismo. Assessoria em acabamentos e decoração.


Fatal error: Uncaught Exception: 12: REST API is deprecated for versions v2.1 and higher (12) thrown in /home/metropolerevista/metropolerevista.com.br/html/wp-content/plugins/seo-facebook-comments/facebook/base_facebook.php on line 1273