Decorando com listras

2

As listras são ótimas aliadas na hora de incrementar a decoração. Elas têm o poder de reformular os espaços e de direcionar o olhar. Podem ser dispostas em paredes, piso e teto, através de pintura, revestimento e móveis. Nos acessórios, oferecem baixo risco de erros.

Elas possuem origem interessante. O pesquisador Michel Pastoreau lembra que, na Idade Média, elas eram usadas por pessoas que viviam à margem da sociedade, como prostitutas, presidiários ou doentes. Mas o fim dessa visão pejorativa iniciou-se no século 18, especialmente por causa das bandeiras dos Estados Unidos e da França. A tendência se popularizou nos anos de 1920, através do bom gosto de Coco Chanel. Pablo Picasso também contribuiu para a ‘absolvição’ das listras.

E elas nunca saem de moda. São versáteis e podem ser usadas em qualquer ambiente, porém, antes de defini-las, é importante escolher o estilo da decoração, pois o espaço deve transmitir a personalidade de seu usuário.

Confira algumas dicas para acertar na estética e função:

  • Listras Verticais: Imponentes e masculinas, as listras verticais criam ilusão de altura, fazendo um espaço baixo parecer mais alto, ou seja, ajudam a alongar o pé-direito do ambiente. Em compensação, fazem o ambiente parecer mais estreito. Em exagero, o ambiente fica com a sensação de “apertado” e com tendência a estressar quem frequenta o ambiente.
  • Listras horizontais: Acolhedoras e femininas, as listras horizontais fazem o ambiente parecer mais longo e amplo. Transmitem a sensação de o teto ser mais baixo. Em exagero, o ambiente parece “sufocante” e torna-se cansativo.
  • Listras diagonais: Dão “movimento” ao ambiente e conferem um aspecto mais dinâmico. Use com moderação.
  • Listras coloridas: Podem alegrar um ambiente tornando-o mais descontraído. Mas é preciso tomar cuidado para que elas não briguem com o mobiliário ou demais itens do espaço.
  • Listras e bolinhas ou poás: Refletem uma composição jovial e lúdica.
  • Listras e florais: O resultado será um espaço romântico, atual, descolado.
  • Listras e elementos geométricos: Podem criar efeitos óticos interessantes, mas é recomendado cuidado com exageros para não causar fadiga ou tontura.

Elas podem ser ainda combinadas com xadrez ou com as estampas animal (famosas estampas de bicho, como cobra, oncinha, zebra). É importante destacar o fato de que prateleiras horizontais, por exemplo, tem o mesmo efeito de listras horizontais. Assim como móveis, janelas, divisórias com linhas verticais ou horizontais têm o mesmo efeito das listras neste sentido.
Tapetes com listras horizontais são ótimos recursos para salas ou quartos apertados. Eles aumentam a sensação de amplitude do ambiente. Use tapetes com listras no sentido que você deseja alongar. Quanto menor o ambiente, mais finas devem ser as listras.

De maneira geral, quanto maior o espaço, mais amplas devem ser as listras na parede. As finas em um ambiente grande podem passar despercebidas ou parecer uma simples textura de longe, enquanto as marcantes em locais pequenos ficam excessivas e até monótonas. Experimente larguras diversas para um ambiente mais descontraído. Para um ambiente mais formal, use larguras iguais ou pouco diferentes e não muito grossas.

Se tiver medo de usá-las nas paredes, então opte por objetos como tecidos, almofadas, tapetes, cortinas, estofados de uma única peça. Uma dica para almofadas é juntar quatro estampas distintas, mas que contam com a mesma paleta de cores. Escolha uma com listras estreitas, outra com faixas largas, uma sólida e, por último, uma com floral delicado.


Sobre o Autor

Raíssa Schebeleski
Raíssa Schebeleski

Designer de interiores residenciais, comerciais e paisagismo. Assessoria em acabamentos e decoração.


Fatal error: Uncaught Exception: 12: REST API is deprecated for versions v2.1 and higher (12) thrown in /home/metropolerevista/metropolerevista.com.br/html/wp-content/plugins/seo-facebook-comments/facebook/base_facebook.php on line 1273