Sinusite tem cura?

Entre as várias doenças que afetam as vias respiratórias, a sinusite é uma das mais complexas, pois afeta os seios da face, que são cavidades existentes dentro dos ossos faciais.

sinusiteA sinusite nada mais é do que a inflamação destes seios da face. Essas cavidades são preenchidas por ar e se comunicam com o nariz através de pequenos canais. Quando um desses canais fica obstruído, sofre acúmulo de secreção purulenta e a mucosa que reveste os seios incha. Está desencadeado um processo inflamatório. Adultos e crianças sofrem desse mal indiscriminadamente.

A doença pode ser confundida com uma simples gripe, pela semelhança dos sintomas. São comuns as tonturas, febre, perda de apetite, dores fortes e pulsáteis nos ossos da face, olhos avermelhados e lacrimejantes, nariz com secreção verde e amarela em grande quantidade e com cheiro forte.

As causas mais comuns que podem desencadear a sinusite são: a gripe, alergia, desvio do septo nasal e más condições climáticas.

Existem basicamente três tipos de rinossinusite: a aguda viral, a aguda bacteriana e as crônicas. A rinossinusite viral é a que se assemelha a um quadro gripal. As rinossinusites agudas bacterianas geralmente são caracterizadas por dor de cabeça e face, tosse, febre, nariz obstruído e secreção nasal esverdeada. As rinossinusites crônicas têm duração dos sintomas superior a doze semanas; os sintomas são os mesmos, porém menos intensos. A dor nos seios da face e a febre podem estar ausentes. A tosse costuma ser o sintoma preponderante, geralmente noturna.

Para cada tipo de sinusite existe um tratamento específico. A rinossinusite viral é tratada com sintomáticos, lavagem nasal e o alívio dos sintomas pode aparecer em poucos dias. Nas rinossinusites agudas bacterianas podem ser receitados antibióticos e outros sintomáticos. Costuma haver uma resposta muito boa a antibióticos, cuja prescrição é tarefa exclusiva do médico. Em poucos casos não há melhora definitiva com uso de um ciclo de antibiótico, podendo ser necessário o uso de um novo ciclo de antibiótico de maior espectro. Nestes casos, o índice de cura é muito alto. No entanto, nos casos de rinossinusites crônicas, podemos lançar mão de antibioticoterapia prolongada e corticóide tópico. Em alguns pacientes, a cirurgia pode ser necessária para facilitar a drenagem natural dos seios paranasais ou, eventualmente, para retirada de alguns pólipos nasais.

Assim, as rinossinusites, de acordo com a sua classificação, podem ter várias formas de tratamento e várias respostas ao mesmo. Seja qual for o tipo de rinossinusite ou o tipo de resposta ao tratamento, o mais importante é que o paciente vá ao otorrinolaringologista e, se for necessário, faça um acompanhamento adequado. Só assim será possível uma melhora definitiva da qualidade de vida do paciente com rinossinusite. Todas as formas de rinossinusite são passíveis de tratamento adequado. Afirmações como “a minha sinusite não tem cura”, não são verdadeiras. Mesmo em casos mais complexos, as sinusites contam com excelentes formas de acompanhamento com grande melhora da qualidade de vida.


Sobre o Autor

Eli Martinelli
Eli Martinelli

Graduado na Faculdade de Medicina de Jundaí. Residência em Otorrinolaringologia na Faculdade de Medicina do ABC. Especialização e Mestrado em Medicina do Sono na UNIFESP.


Fatal error: Uncaught Exception: 12: REST API is deprecated for versions v2.1 and higher (12) thrown in /home/metropolerevista/metropolerevista.com.br/html/wp-content/plugins/seo-facebook-comments/facebook/base_facebook.php on line 1273