Ballet acima dos 20 ou 30 anos

O foco desta coluna é falar um pouco sobre o interesse e a possibilidade em começar a fazer ballet com mais de 20 ou 30 anos de idade.

Com o passar do tempo, a arte de se fazer o ballet clássico vem se tornando mais flexível em alguns lugares que abordam a dança como produção de conhecimento no mundo e como possibilidade de experimentação para todos os tipos de corpos. O ballet clássico para adultos que nunca fizeram aula antes, ou que fizeram quando pequenos e querem recomeçar essa atividade artística é um dos reflexos desse modo de pensar a dança na contemporaneidade. Pois as exigências fechadas de estereótipos específicos para essa técnica ganharam uma nova visão, abrindo assim espaço para o “fazer” essa arte com o foco voltado para saúde e bem-estar físico, psicológico e social. Agora para os adultos, o ballet pode ser simultaneamente divertido e enriquecedor, praticando uma atividade física que pode ser, ao mesmo tempo, interessante e eficiente para combater hábitos sedentários.

Ballet acima dos 20 ou 30 anosAqui no Brasil essa onda de ballet clássico para adultos iniciantes – e não tão iniciantes – chegou com força em 2007/2008. Fazer ballet deixou de ser uma prática iniciada somente na infância, ou para meninas magras e jovens. Pelo contrário, nos últimos anos, mulheres acima dos 30 anos têm procurado esta atividade como uma alternativa de prática física, mesmo sem nunca terem feito uma aula. O ballet entrou no gosto do pessoal adulto: várias idades e vários tipos de corpos em uma convivência prazerosa.

Na maioria das escolas, o aprendizado da técnica para o adulto não visa levar o aluno ao mercado de trabalho da dança. Isso torna as aulas mais leves, onde cada um pode progredir no seu próprio tempo, sem o estresse de ser um profissional na área. Em geral, as escolas que oferecem o ballet clássico visam a profissionalização dos alunos. Para isso é inevitável que se inicie jovem. Já o objetivo desta iniciativa de aula de ballet para adultos está mais voltado a  proporcionar ao corpo/mente uma experiência e um desafio prazeroso para quem se arrisca ao novo.

Percebe-se também uma procura dos alunos pelo trabalho físico do ballet. Realmente, a técnica clássica pode oferecer um bom trabalho de coordenação, força, resistência muscular e alongamento. Todo esse trabalho associado à execução dos exercícios codificados é um grande esforço físico. Nada melhor do que unir esse trabalho físico com o prazer de fazer isso tudo dançando.

No mundo contemporâneo, percebo que as pessoas estão mais disponíveis ao aprendizado durante todas as fases de sua vida e sem vergonha de tentar. Isso é maravilhoso, pois nos liberta ao novo, ao desconhecido e, consequentemente, nos faz crescer como seres humanos.


Sobre o Autor

Isabela Schwab
Isabela Schwab

Bailarina e professora de dança, Mestranda em Dança pela UFBA, Especialista em Estudos Contemporâneos em Dança pela UFBA, Graduada em Licenciatura e Bacharelado em Dança pela FAP, Certificada em Pilates Matwork pelo Demarkondes Pilates®/PhysicalMind Institute® de Nova York.


Fatal error: Uncaught Exception: 12: REST API is deprecated for versions v2.1 and higher (12) thrown in /home/metropolerevista/metropolerevista.com.br/html/wp-content/plugins/seo-facebook-comments/facebook/base_facebook.php on line 1273